AgriculturaGoiás

Agronegócio Notícias – Novo método reduz danos causados pela mancha-bacteriana do tomateiro

Além da baixa toxicidade, o novo produto pode ser aplicado em pequenas quantidades proporcionando vantagens ambientais e econômicas

Com uma abordagem inédita, cientistas conseguiram reduzir em 45% os danos causados pela mancha-bacteriana do tomateiro, importante doença da cultura. A equipe da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) utilizou partes de bactérias do gênero Xanthomonas, como a parede celular e flagelos, para induzir resistência nas plantas. Os resultados podem dar origem a um bioinsumo capaz de reduzir a necessidade de produtos químicos aplicados hoje contra a doença.

Além da baixa toxicidade, o novo produto pode ser aplicado em pequenas quantidades proporcionando vantagens ambientais e econômicas. A Embrapa está em negociação com um parceiro privado para finalizar as pesquisas e levar o produto ao mercado.

As bactérias usadas para induzir a resistência não são as causadoras da doença do tomateiro. Mesmo assim, elas estimularam o sistema imunológico das plantas. “Essas partes do micro-organismo utilizadas, especialmente a parede celular, desencadearam um reconhecimento rápido pela planta, estimulando seu sistema de defesa. Chamamos essas estruturas de elicitores, gatilhos que desencadeiam o processo”, detalhou Bernardo Halfeld, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente e coordenador do estudo. O mecanismo é análogo ao modo de ação das vacinas, que também provocam o sistema imunológico por meio de micro-organismos, ou de partes, sem causar danos à saúde.

A aplicação do bioinsumo foi feita por dois métodos: aspersão sobre as folhas (pulverização) e por gotejamento no solo. Ambos obtiveram sucesso. Um futuro produto comercial poderia ter métodos semelhantes de aplicação.

Com informações da Embrapa

Rate this post
Mostrar mais

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo